Carol Passos

Crônicas e percepções. Nem tudo que escrevo aqui é real

Foto https://unsplash.com/@karljkhedin

atravessei a cidade sem mapa, me perdi correndo em ruas desconhecidas. sem endereço, placas ou números. desesperada, não encontrei minha casa.

virei esquinas e dei de frente com o mais obscuro dos caminhos, aquele que gela o sangue, amedronta e seca a boca. me perdi de mim e quando vi, estava sozinha e sem rumo.

tudo que era conhecido se desfez e entendi nada. segui tateando o escuro com um nó no peito e um peso no estômago. precisava continuar, mas não sabia como, nem a direção a seguir. 

me encolhi, abracei as pernas, fiquei pequena e queria sumir. no chão, ouvi uma voz suspirar: respira. respira. respirei. respirei. senti o corpo aquecer, os músculos distenderem e as dores começaram a se desfazer.

com o calor, enchi o coração de coragem e abri os olhos. foi quando me ergui, fiquei gigante, reapareci e vi que estava de volta à casa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: